O que os executivos de todo mundo estão fazendo agora?

 

O que os executivos de todo mundo estão fazendo agora ? Uma parte deles, com certeza, está dedicando tempo à montagem do orçamento para 2018. Algumas organizações começaram a montar seus planos para o ano seguinte em julho, agosto, setembro e outubro. Algumas já estão com o instrumento praticamente estruturado e outras ainda estão desenvolvendo suas várias etapas, com discussões, revisões e ajustes.  Haja trabalho!

Por que isso é relevante? Porque permite traduzir a estratégia da empresa de forma coletiva, define um plano operacional, permite comunicação e estabelece os parâmetros para o acompanhamento e avaliação de desempenho. Se isso não está acontecendo com o seu modelo de planejamento, analise e aja.

Seus clientes, fornecedores e concorrentes também estão desenvolvendo atividades que vão orientar a gestão das organizações num horizonte, algumas de forma mais rígida e outras com maior flexibilidade na construção e revisão dos mecanismos. Em alguns casos a comunicação entre as várias organizações provoca ganha-ganha no planejamento e, em outras, um aumento do risco e perda de flexibilidade.

Num momento de crise como vivemos no Brasil, o papel do planejamento estruturado, tanto no que se refere ao planejamento estratégico como orçamento, pode ser um divisor de águas para o sucesso de amanhã, aumentando o alinhamento entre os executivos, amadurecendo ideias e proporcionando aumento da assertividade. Não consigo transformar isso em números mas o seu poder é imenso.

Para discutir o benefício eu preciso que você reflita sobre esta frase: o planejamento é algo muito além da prática de geração de números.  Pode parecer óbvio mas, dentro das tensões que as organizações vivem, existe um fenômeno denominado decoupling que provoca um paulatino afastamento e esquecimento de conceitos fundamentais. A frase acima pode representar um exemplo disso.

Escolhi sete pontos para que você conclua se a sentença tem ou não valor para a sua organização:

1.O número do orçamento deveria ter um sentido estratégico, operacionalizando o seu direcionamento. Se sentir que tem nas mãos um instrumento burocrático, um monte de números construído para atender uma agenda, pare e reorganize o trabalho.

2.O “corta-corta” é a tônica da montagem do orçamento mas deve ser temperado com a preocupação de estar preparado para a retomada. É como querer sair na frente numa corrida e não ouvir o disparo do juiz. Gasta tempo para entender, analisar e decidir e pense não apenas no curto prazo.

3.Os desafios em termos de planejamento no mundo já se alteraram bastante. Já foram valorizados a disponibilidade de mecanismos, a sofisticação de informações disponíveis, a integração dos sistemas de informação, a competência das pessoas, mas atualmente, sem eliminar os elementos anteriores, a grande oportunidade está na maneira como se usa a informação, inclusive abrindo mão da sua exatidão e investindo na qualidade do direcionamento.

4.Para que o item anterior seja uma realidade, a massa crítica interna deve existir composta por profissionais com espírito crítico que saibam trabalhar num ambiente que demande participação e também suporte decisões top down. Isso dificilmente se consegue no meio da montagem do orçamento mas pode ser recuperado em algum momento.

5.Ter claro que o planejamento não consiste em ADVINHAR o futuro mas sim decidir o que fazer dele. Depois de elaborado o orçamento ele demanda toda a energia e talento para que seja

realidade, sendo acompanhado e ajustado quando necessário. Só dá para fazer isso se for construído com muita identificação e alinhamento com o grupo de poder que vai gerenciar.

6.Parar de culpar o cenário. Afinal, quando ele muda, a primeira questão é: como atingir o mesmo resultado mas de outra maneira, DENTRO DA LÓGICA ESTRATÉGICA decidida. Muito da viabilização dessa visão decorre da incorporação da figura do forecast, da revisão de planejamento que pode ser feita em dimensões e frequências diversas. A única certeza que temos é que o futuro terá alguma variação em relação ao que pensamos hoje. Take for grant!

7.Não quero que se esqueça do óbvio nos momentos de crise, no sentido de que o fluxo de caixa é o elemento-chave para a sobrevivência. Contudo, se essa visão for forte demais não será possível enxergar um horizonte mais alongado e as oportunidades vão passar. Haja talento para administrar esse risco: priorizar o caixa sem perder a noção do lucro de longo prazo.

Se você parou de trabalhar no orçamento de 2018 e leu este post, é um sinal que o tema te interessa. Quem sabe a reflexão contribua para a montagem de um orçamento equilibrado e alinhado com as expectativas dos acionistas e executivos? Com isso você vai mostrar que não precisa ficar inerte esperando um milagre mas vai conquistar o sucesso com o seu próprio talento.

Por favor, capriche no planejamento pois eu espero um 2018 melhor para este país e acredito que as organizações têm um papel muito ativo nesse caminhar.

Fábio Frezatti

Laboratório de Pesquisas de Práticas Gerenciais

2 comments

Leave Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *