Confira os depoimentos coletados durante o evento “Avanços e Desafios da Regulação e Prática da Contabilidade Aplicada ao Setor Público em Padrões Internacionais”

Durante o evento “Avanços e Desafios da Regulação e Prática da Contabilidade Aplicada ao Setor Público em Padrões Internacionais”, que ocorreu no dia 03 de março de 2015, na Sede da FIPECAFI, coletamos alguns depoimentos de pessoas que assistiram a palestra.

Confira e fique por dentro de nossas palestras:

Ayres Moura, sócio da EY

“Uma convergência para os padrões internacionais de contabilidade não é meramente um assunto contábil. Isso envolve principalmente o desenvolvimento da parte de sistemas informatizados, como apresentado na palestra de Leonardo Silveira do Nascimento, Coordenador-Geral do Tesouro Nacional sobre Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação e também a parte do levantamento dos bens patrimoniais das entidades, sendo que muitos não são apresentados no balanço. Todos esses levantamentos demandam tempo, então acho que a coleta de informações e a informatização são requisitos fundamentais para essa implementação. A palestra agregou valor a minhas atividades, principalmente pelo esclarecimento do processo de conversão da contabilidade no Brasil com as normas internacionais.” (Ayres Moura, sócio da EY – Ernst & Young).

 

Meiri Mayumi Urashita, Especialista Contábil da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo

“A capacitação continuada dos servidores será fator fundamental para o sucesso da convergência da contabilidade pública brasileira às Normas Internacionais de Contabilidade Pública. A contabilidade e a auditoria governamental são elementos essenciais para o efetivo controle social, de modo a facilitar o acompanhamento das políticas públicas, contribuindo para que essas ações se revertam em benefícios reais para o cidadão. Dessa forma o processo de convergência será fator vital para o processo de governança pública, evidenciando adequadamente a posição patrimonial dos entes. Os Padrões Internacionais de contabilidade pública são importantes e necessários para que todos possam compartilhar e comparar informações técnicas considerando-se os mesmos conceitos agregando maior qualidade. Para que a implementação seja realizada em curto prazo, as áreas de contabilidade e controle interno devem conduzir o processo de disseminação do conhecimento junto às unidades de planejamento, orçamento, finanças e patrimônio como forma de suporte aos novos procedimentos contábeis adotados, fortalecendo dessa forma a gestão pública. Para atingir a estrutura de contabilidade adequada, é necessária a reestruturação das áreas de contabilidade no setor público com a capacitação e especialização do quadro funcional. A palestra promovida pela FIPECAFI “Avanços e Desafios da Regulação e Prática da Contabilidade Aplicada ao Setor Público em Padrões Internacionais” com o palestrante Leonardo Silveira do Nascimento foi muito relevante para minhas atividades profissionais”. (Meiri Mayumi Urashita, Especialista Contábil da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo)”.

 

Roseli Souza, especialista de soluções da SAP do Brasil

“A SAP Brasil é responsável  pela implementação de sistemas tecnológicos de grande porte no setor privado. A adoção das normas contábeis internacionais no setor público deve trazer novas oportunidades para as empresas de tecnologia.  A FIPECAFI  proporcionou com o evento a oportunidade para um aprimoramento do conhecimento sobre o tema. A palestra do Sr. Leonardo Silveira do Nascimento, coordenador-geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação trouxe uma atualização e oportunidade de diálogo para que os especialistas em contabilidade da SAP implementem as normas dentro do sistema de empresas do setor público. Precisamos colocar toda “essa inteligência no sistema para que se possa atender  às necessidades do setor público, inclusive com as atualizações  derivadas do Comitê de Pronunciamentos Contábeis”. Estamos trabalhando no assunto desde 2011, a palestra contribuiu para tirar dúvidas com relação a prazos, patrimônio, custeio. Concordo que há muito a ser feito, mas precisamos ir implementando.

A palestra atendeu plenamente minhas expectativas. Foi muito útil e interessante. Consolidou meu conhecimento e trouxe as perspectivas da implementação nas normas contábeis internacionais no setor público. Está de parabéns o palestrante e todos da FIPECAFI envolvidos com o evento”.

 

 

FIPECAFI promove palestra sobre Convergência aos Padrões Internacionais de Contabilidade no Setor Público

A FIPECAFI (Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras) promoveu, em 03 de outubro de 2015, das 15 horas às 17 horas, palestra de Leonardo Silveira do Nascimento, Coordenador-Geral do Tesouro Nacional sobre Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação, sobre “Avanços e Desafios da Regulação e Prática da Contabilidade Aplicada ao Setor Público em Padrões Internacionais”.

A Profa. Dra. Patrícia Siqueira Varela abriu o evento fez a apresentação do palestrante e breve relato sobre as disciplinas do MBA Contabilidade Pública da FIPECAFI para público especializado, que lotou o auditório da Fundação. A Profa. Dra. Patrícia Varela elogiou o objetivo de implementar as normas contábeis internacionais para disponibilizar todos os dados da federação obtidos pelo Tesouro para a sociedade em geral.

Leonardo Silveira do Nascimento iniciou a palestra agradecendo a oportunidade de disseminar o conhecimento sobre os avanços da regulação e prática da contabilidade aplicada ao setor público.

O processo de adoção de regras e procedimentos contábeis sob uma mesma base conceitual objetiva a comparabilidade da situação econômico-financeira de vários países ou de entidades do setor público nacional e internacional”, declarou.

O Prof. Dr. Iran Siqueira Lima, Presidente da FIPECAFI, destacou os desafios para a implementação das normas internacionais de contabilidade para o setor público dentro dos princípios de consolidação, transparência, controle e verificação.

O Tesouro Nacional tem o objetivo, também, de firmar parcerias com Tribunais de Contas e com órgãos da administração pública federal para o uso da linguagem XBRL. A XBRL (na sigla em inglês Extensible Business Reporting Language) é uma tecnologia criada em 1998, que permite a automação do processo de divulgação de envio e recepção de relatórios, a respeito da posição econômica financeira e contábil. O XBRL não pretende alterar o conteúdo das informações, que já são enviadas a órgãos reguladores e do governo, mas permitirá uma conversão para essa tecnologia que qualquer sistema, em qualquer língua, poderá compreender.

Pesquisadores e representantes da CVM (Comissão de Valores Mobiliários), BM&FBOVESPA, entre outros, têm buscado acompanhar a experiência do Tesouro Nacional na implantação do sistema XBRL como forma de coleta de dados contábeis.

Leonardo Silveira do Nascimento, que também é membro do IPSASB/IFAC (International Public Sector Accounting Standards e Board junto à International Federation of Accountants), afirma que o Tesouro Nacional irá “trabalhar fortemente na implantação dos procedimentos patrimoniais, ou seja, o recheio do plano de contas obrigatório”.

Temos uma contabilidade com foco orçamentário, mas agora teremos um plano de contas novo. Para isso, o Tesouro Nacional deve lançar para consulta pública em maio de 2015 no Grupo Técnico de Procedimentos Contábeis um documento sobre a estratégia para implementação dos procedimentos patrimoniais”, afirmou. Na ocasião, deverá haver discussões sobre outros assuntos relevantes como rendimentos negativos dos regimes próprios de previdência. Esse será um documento de referência e virão portarias do Tesouro Nacional fixando prazos, observou.

No Fórum há a oportunidade de expressar experiências práticas para que se reflita na 7ª edição do Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, que está em elaboração. “Qualquer estabelecimento de normas exige o processo contínuo de revisão e aprimoramento”, concluiu Leonardo Silveira do Nascimento.

Links úteis:

http://www.fipecafi.org/mba/mba-contabilidade-publica.aspx

www.stn.fazenda.gov.br

cconf.df.stn@fazenda.gov.br

Twitter: @_tesouro

Acesse o Fórum da Contabilidade

Acesse o Siconfi 

Evento debate a regulação da contabilidade pública aos padrões internacionais

A Faculdade FIPECAFI realiza no dia 03 de março, a partir das 15h, mais uma palestra voltada à atualização dos profissionais da área contábil. O tema da vez será “Avanços e Desafios da Regulação e Prática da Contabilidade Aplicada ao Setor Público em Padrões Internacionais” e o palestrante o analista de Finanças e Controle da Secretaria do Tesouro Nacional, do Ministério da Fazenda, Leonardo Silveira do Nascimento.

O evento tem a coordenação dos professores do MBA Contabilidade Pública da FIPECAFI, Patrícia Varela e Iran Siqueira. As inscrições podem ser feitas na página de eventos ou pelo e-mail eventos@fipecafi.org.

Mais informações podem ser obtidas através do telefone (11) 2184.2096.

 

Palestra: Avanços e Desafios da Regulação e Prática da Contabilidade Aplicada ao Setor Público em Padrões Internacionais

Data: 03 de março de 2015
Horário: 15h
Palestrante: Leonardo Silveira do Nascimento, analista de Finanças e Controle da Secretaria do Tesouro Nacional (Ministério da Fazenda)
Local: FIPECAFI – Rua Maestro Cardim, 1170 – Bela Vista – São Paulo/SP (próximo à Avenida Paulista e das estações Paraíso e Vergueiro do Metrô)

A importante decisão de atuar no setor público

A crise financeira de 2008 ocasionou incertezas na economia, aumentando o número de recém-formados que planejam obter estabilidade através da carreira no setor público. Dados divulgados pelo IBGE, sobre o ano de 2012, divulgaram que o governo brasileiro empregava cerca de 3,2 milhões de pessoas.

Considerada a maior motivação deste tipo de trajetória, a estabilidade contraria a busca por uma carreira profissional desafiadora e a oportunidade de contribuir diretamente na edificação de políticas para um Brasil melhor. Quem pensa que atuar no setor público é sinônimo de pouco trabalho, engana-se. As questões mais complexas estão concentradas na esfera pública.

Os gestores exigem formação acadêmica específica e qualificada, para modernizar o serviço oferecido à sociedade. Querer fazer a diferença e se contentar com conquistas diárias são dois pontos importantes para fazer carreira no setor público. Muitas vezes os profissionais têm seus projetos impedidos ou modificados devido a empecilhos, como cortes no orçamento e conflitos políticos. Nestes casos é preciso “pensar fora da caixa” e buscar formas inovadoras para pôr o projeto em prática.

Se você exerce ou tem interesse em exercer atividades relacionadas às áreas de gestão, planejamento, orçamento, controle interno, controle externo, licitação e contratos, conheça o MBA Contabilidade Pública da FIPECAFI. Adquira conhecimentos sobre as normas brasileiras e internacionais de contabilidade aplicadas ao setor público.

Matriculando-se até 27/02 você ganha 5% de desconto! Confira as condições com a nossa central de informações: (11) 2184.2020 ou comercial@fipecafi.org.

FIPECAFI promove evento de apresentação do MBA Contabilidade Pública

Palestra foi ministrada pela diretora da Superintendência Central de Contadoria Geral da Secretaria de Estado de Fazenda de Minas Gerais.

 A FIPECAFI realizou, no dia 18 de fevereiro, a palestra “Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Cenários e Desafios”, em dois horários distintos: às 15h e 19h. O Prof. Dr. Iran Siqueira Lima, presidente da FIPECAFI, abriu o evento falando sobre sua experiência como ex-diretor do Banco Central e ex-diretor da SEST (Secretaria de Coordenação e Controle de Empresas Estatais) e a crescente importância de adoção das IPSAS (International Public Sector Accounting Standards – normas internacionais de contabilidade aplicadas ao setor público).

Maria da Conceição Barros de Rezende, diretora da Superintendência Central de Contadoria Geral da Secretaria de Estado de Fazenda do Governo do Estado de Minas Gerais, falou em sua palestra sobre a implantação das IPSAS no governo de Minas, que é referência no tema. A especialista elogiou o pioneirismo da FIPECAFI ao criar o MBA Contabilidade Pública, argumentando que há escassez de profissionais para colocar em prática as normas.

A Profª Drª. Patrícia Siqueira Varela, coordenadora do MBA, apresentou o curso, que terá início das aulas em março de 2014 e duração de 18 meses. O curso prepara os alunos para a carreira de contador de entidades públicas governamentais e oferece base teórica e prática para a atuação dos gestores públicos em diferentes áreas, tais como: gestão, planejamento, orçamento, controle interno, controle externo, licitação e contratos.

Clique aqui e saiba mais sobre o MBA Contabilidade Pública.

Palestra “Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público: cenários e desafios” amanhã na FIPECAFI

O evento apresentará o MBA Contabilidade Pública

A FIPECAFI oferece amanhã, 18 de fevereiro, palestra cuja pauta será a Convergência aos Padrões Internacionais de Contabilidade no Setor Público. O encontro acontecerá em dois horários: 15h e 19h30, no auditório da instituição. As inscrições são gratuitas e as vagas, limitadas.

A Drª. Maria Conceição Barros de Rezende, Contadora Geral do Estado de Minas, ministrará a palestra: “Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público: cenários e desafios”. Também haverá a apresentação de informações sobre o Programa MBA Contabilidade Pública.

Saiba toda a programação e cadastre-se em nossa página. Clique aqui.

Estamos a caminho da convergência para as IPSAS?

iStock_000017134046Small

Veículo: Gestor Contábil (CRC)

Janilson Suzart e Robson Zuccolotto*

As Ipsas (International Public Sector Accounting Standards – Normas Contábeis Internacional aplicáveis ao Setor Público) são normas emitidas pela Federação Internacional de Contadores (Ifac, sigla em inglês), embasadas no regime de competência e no conceito da prevalência da essência econômica sobre a forma jurídica sem, contudo, contrariar a legislação nacional.

As Ipsas são guias para o preparo e a apresentação de demonstrações contábeis para entidades do setor público. Dentre outros benefícios atríbuidos às Ipsas, está o desenvolvimento de uma gestão do patrimônio público que considera a necessidade futura de caixa, de outros ativos e os passivos decorrentes de tais atividades, tais como os ativos de infraestrutura e as obrigações dos entes públicos.

Até dezembro de 2012, haviam sido emitidas, pela Ifac, 32 normas embasadas no regime de competência e uma única norma para os entes públicos que adotam o regime de caixa. Em 2010, o CFC (Conselho Federal de Contabilidade) concluiu o trabalho de tradução de 31 Ipsas, vigentes à época. Destaca-se, no entanto, que as Ipsas ainda não estão em vigência no território brasileiro. Diante desse cenário, surge um questionamento: estamos em processo de convergência para a adoção das Ipsas?

A resposta para tal pergunta é afirmativa, porém algumas ressalvas são necessárias. Sim, a contabilidade Governamental brasileira encontra-se em processo de convergência para o regime de competência e os principais atores envolvidos, CFC e Secretaria do Tesouro Nacional, sinalizam para a adoção das ipasas em um momento futuro. E não havendo alterações na legislação brasileira, em especial na Lei nº 4.320/1964, os entes públicos conviverão com dois conjuntos de demonstrações contábeis: o primeiro, bastante conhecido, advém da própria lei e está ligado à movimentação orçamentária e o segundo, oriundo das Ipsas (se estas forem adotadas).

Em 2008, o CFC editou as dez primeiras Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público (NBCASPs), sendo que a décima primeira foi editada apenas no ano de 2011. as NBCASPs estabeleceram, dentre outas inovações, a adoção do regime de competência como regime de contabilização para os entes públicos. Até aquela data, o modelo contábil brasileiro era o regime de caixa modificado (oriundo do regime orçamentário adotado pela Lei nº 4.320/1964), ou seja, as receitas e as despesas eram reconhecidas principalmente na entrada e na saída de caixa ou equivalentes de caixa e era possível o reconhecimento de alguns ativos e passivos pelo regime de competência. As NBCASPs entraram em vigência em 2009, para adoção opcional, e em 2010, para adoção obrigatória.

Além do regime de competência, as NBCASPs reforçaram a necessidade de evidenciação de ativos, passivos e de fenômenos econômicos, tais como a depreciação, a amortização e a exaustão, que até então não eram evidenciados pela maioria dos entes públicos. Introduziram também a ideia da redução ao valor recuperável, que já era utilizada pela Contabilidade aplicável ao setor privado, faz alguns anos.

Todavia, as NBCASPs não são equivalmente às Ipsas. Para detectar o nível exato de similaridade entre esses dois conjuntos normativos seria necessário uma pesquisa com grande rigor metodológico, utilizando a técnica de análise de conteúdo, por exemplo. Entretanto, algumas diferenças se destacam, como por exemplo: a ausência de uma NBCASP que trate de investimento em conjunto, a não obrigação de consolidação de uma empresa estatal independente, a presença de contas de compensação no Balanço Patrimonial, a ausência de evidenciação de outros resultados abrangentes, o não tratamento dos ativos construídos durante a concessão de serviços públicos pelas NBCASPs, dentre outros exemplos possíveis.

Assim sendo, verifica-se que o processo de convergência foi iniciado com a adoção das NBCASPs, que ainda não foram completamente implementadas pela maioria dos entes públicos. Porém, ainda será necessário muito esforço por parte dos profissionais contábeis, das entidades públicas, dos órgãos de classe e da academia brasileira para que seja completada a ampla convergência até as Ipsas.

*Janilson Suzart e Robson Zuccolotto são doutorandos em Contabilidade e Controladoria pela USP (Universidade de São Paulo) e pesquisadores da área de Contabilidade e Finanças Governamentais associados à Fipecafi.

Atenta a esse cenário, a Faculdade FIPECAFI oferece o curso MBA Contabilidade Pública, que discute e aplica o arcabouço conceitual relativo às normas brasileiras e internacionais de contabilidade aplicadas ao setor público, bem como as bases jurídico-administrativas necessárias à aplicação e interpretação das referidas normas. O curso possui enfoque teórico-prático permitindo aos estudantes a solução de problemas relacionados ao seu ambiente de trabalho.

Saiba mais e faça já sua inscrição clicando aqui! Descontos especiais para matrículas realizadas até 31/12/2013.

Experiências internacionais com o orçamento público por regime de competência

shutterstock2

Bento Rodrigo Pereira e Ricardo Corrêa Gomes*

Com a adoção do regime contábil de competência como base do registro contábil na Contabilidade Aplicada ao Setor Público de diversos países, os governos precisam decidir entre manter o regime de caixa para elaboração dos documentos orçamentários ou ampliar o espectro da mudança também para o campo da geração do orçamento público.

O assunto tem sido estudado, especialmente, por governos nacionais e organismos internacionais de forma a verificar a adequação do caminho percorrido por estes países.

Pereira e Gomes (2013) iniciam uma discussão importante para o Brasil, em face da futura edição de uma nova lei de finanças públicas e abre caminho para a realização de novos estudos que aprofundem a discussão aqui iniciada. Para isso, foram utilizadas, como fonte dos dados, as pesquisas internacionais realizadas sobre o orçamento de competência, bem como alguns documentos governamentais dos países que adotaram o orçamento por regime de competência.

A partir da coleta desses documentos na internet, realizando análise de conteúdo, foi possível identificar as diferenças entre os regimes existentes, bem como vantagens e desvantagens do orçamento por competência. Notadamente, foram identificadas diferenças quanto ao registro de valores referentes a despesas não financeiras (por exemplo, a depreciação), reconhecimento de passivos durante sua geração, ao invés de no momento de seu pagamento.

A comparação entre os países que mantiveram o orçamento em caixa depois da adoção da competência com os países que fizeram a adoção da competência para orçamento e contabilidade é importante para verificar até que ponto é fundamental que o mesmo regime seja utilizado para os dois sistemas.

Aos agentes públicos que atuem nas áreas de contabilidade, gestão, orçamento, controle, auditoria, licitação, contratos, compras, planejamento e outros profissionais interessados no tema, a Faculdade FIPECAFI oferece o MBA Contabilidade Pública, que discute e aplica o arcabouço conceitual relativo às normas brasileiras e internacionais de contabilidade aplicadas ao setor público, bem como as bases jurídico-administrativas necessárias à aplicação e interpretação das referidas normas.

Saiba mais sobre o curso e faça sua inscrição clicando aqui.

*MONTEIRO, Bento Rodrigo Pereira e GOMES, Ricardo Corrêa. Experiências internacionais com o orçamento público por regime de competência. Online, 2013.

Para baixar o artigo na íntegra, clique aqui.

Faculdade FIPECAFI lança MBA de Contabilidade Pública

A Faculdade FIPECAFI, mantida pela Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras, abre inscrições para novo MBA de Contabilidade Pública. O curso está previsto para ter início em agosto de 2013, com aulas às sextas-feiras, das 18:45 às 22:45  e aos sábados das  08 horas às 17 horas, na Sede da Fundação. Os interessados podem obter mais informações pelo telefone (11) 2184-2020.

O curso discute e aplica o arcabouço conceitual relativo às normas brasileiras e internacionais de contabilidade aplicadas ao setor público, bem como as bases jurídico-administrativas necessárias à aplicação e interpretação das referidas normas.  O curso possui enfoque teórico-prático permitindo aos estudantes a solução de problemas relacionados ao seu ambiente de trabalho.

O objetivo será permitir aos participantes interpretar e aplicar as atuais (NBCASP) e futuras (IPSAS) normas de contabilidade no âmbito das entidades públicas brasileiras e instrumentalizar os participantes com os principais conceitos relacionados às atividades financeiras do Estado.

O curso tem como público-alvo: Agentes Públicos que atuem nas áreas de  Contabilidade, Orçamento, Controle, Auditoria, Licitação, Contratos, Compras, Planejamento e outros Profissionais interessados no tema.

Serviço:

Curso: MBA de Contabilidade Pública
Data de início: agosto de 2013
Datas e Horários: aulas às sextas-feiras, das 18:45 às  22:45 e aos sábados das 08 horas às 17 horas
Duração total: 420 horas, distribuídas em 18 meses
Local: Rua Maestro Cardim, 1.170 – São Paulo – SP, próximo da Avenida Paulista e das estações Paraíso e Vergueiro do Metrô
Telefone para informações: (11) 2184-2020
E-mail: coordenadoria.mba@fipecafi.org

 

Sobre a FIPECAFI:
A FIPECAFI (Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras) foi fundada em 1974 por professores do Departamento de Contabilidade e Atuária da FEA/USP (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo) e dentre seus principais objetivos estão: a missão de desenvolver e promover a divulgação de conhecimentos da área contábil, financeira e atuarial, organizar cursos, seminários, simpósios e conferências, prestar serviços de assessoria e consultoria e realizar pesquisas, atendendo entidades dos setores público e privado.

A Faculdade FIPECAFI, mantida pela Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras, oferece Graduação em Ciências Contábeis e 16 programas de pós-graduação. Entre os MBAs, na área de Controladoria e Finanças, estão: Controller em parceria com a ANEFAC (Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade), Controles Internos – Compliance, Gestão Financeira e Risco, Gestão Atuarial e Financeira  MBA em IFRS (Normas Internacionais de Contabilidade).

A Faculdade FIPECAFI oferece ainda os MBAs: Relações com Investidores em parceria com o IBRI (Instituto Brasileiro de Relações com Investidores); Gestão Tributária; Supply Chain e Logística Integrada; Governança Corporativa em parceria com o IBGC (Instituto Brasileiro de Governança Corporativa) e Mercado de Capitais em parceria com a APIMEC (Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais).

Para profissionais em início de carreira ou que estejam buscando uma nova área de especialização a Faculdade FIPECAFI oferece o CEFIN (Curso de Especialização em Contabilidade, Controladoria e Finanças). Com duração de um ano, o curso oferece formação teórica e prática em 360 horas-aula que incluem disciplinas presenciais e eLearning. A Fundação também oferece os cursos de Especialização em Investment Banking.

Além dos cursos de pós-graduação, a Fundação disponibiliza por meio do Programa de Educação Executiva cursos de curta duração com foco específico dentro das áreas de negócios, direcionados a executivos, empreendedores, consultores, pesquisadores e estudantes de Finanças, Contabilidade, Economia, Administração, Auditoria, Controladoria e Atuária. Os cursos têm conteúdo sofisticado com foco na tomada de decisões.

A Faculdade FIPECAFI também realiza seminários, cursos de extensão, presenciais e “blended in company”. Disponibiliza cursos de curta duração eLearning com garantia e segurança da certificação digital.

Mais informações: http://www.fipecafi.org

Faculdade FIPECAFI lança MBA de Contabilidade Pública

 

A Faculdade FIPECAFI, mantida pela Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras, abre inscrições para novo MBA de Contabilidade Pública. O curso tem início em agosto de 2013, com aulas às sextas-feiras, das 18h45 às 22h45 e aos sábados das 08 horas às 17 horas, na Sede da Fundação.

O curso discute e aplica o arcabouço conceitual relativo às normas brasileiras e internacionais de contabilidade aplicadas ao setor público, bem como as bases jurídico-administrativas necessárias à aplicação e interpretação das referidas normas.  O curso possui enfoque teórico-prático permitindo aos estudantes a solução de problemas relacionados ao seu ambiente de trabalho.

O objetivo é permitir aos participantes interpretar e aplicar as atuais (NBCASP) e futuras (IPSAS) normas de contabilidade no âmbito das entidades públicas brasileiras e instrumentalizar os participantes com os principais conceitos relacionados às atividades financeiras do Estado.

O curso tem como público-alvo: Agentes Públicos que atuem nas áreas de Contabilidade, Orçamento, Controle, Auditoria, Licitação, Contratos, Compras, Planejamento e outros Profissionais interessados no tema.

Serviço:

Curso: MBA de Contabilidade Pública

Horário: Aulas às sextas-feiras, das 18h45 às 22h45 e aos sábados das 08 horas às 17 horas.

Duração total: 420 horas, distribuídas em 18 meses.

Local: Rua Maestro Cardim, 1.170 – São Paulo – SP, próximo da Avenida Paulista e das estações Paraíso e Vergueiro do Metrô.

Telefone para informações: (11) 2184-2020

E-mail: coordenadoria.mba@fipecafi.org

FIPECAFI realiza 1º Fórum de Contabilidade Pública

A FIPECAFI (Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras) realiza, no dia 10 de maio de 2013, das 08h00 às 18h00 horas, o 1º Fórum de Contabilidade Pública com o tema “A convergência às normas internacionais (IPSAS – International Public Sector Accounting Standards)”.

O evento ocorrerá na sede da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo, na Avenida Rangel Pestana, 300, próximo da estação Sé do Metrô, em São Paulo (SP).

O objetivo do evento será discutir os impactos da implementação das IPSAS na gestão pública brasileira e apresentar propostas que auxiliem no processo de convergência vivenciado pela Contabilidade Governamental brasileira.

O evento terá início às 8 horas com a seguinte programação:

08h00 – Credenciamento

08h30 – Abertura com a participação de Andrea Sandro Calabi, Secretário da Fazenda do Estado de São Paulo e de Iran Siqueira Lima, Presidente da FIPECAFI e Professor da FEA-USP (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo)

9h00 – Painel: “Convergência no Setor Privado: Experiência e Desafios”, com a participação de Eliseu Martins, membro do CPC (Comitê de Pronunciamentos Contábeis) e Professor Emérito da FEA-USP e Nelson Carvalho, Professor da FEA-USP e Diretor de Pesquisas da FIPECAFI

10h30 – Tema: “Visão do Projeto de Implantação” por Alberto Gergull, Professor da FIPECAFI e Ivan Nacsa, Sócio do Grupo FBM

11h15 – Tema “Projeto de Convergência de Minas Gerais com Maria da Conceição Barros de Rezende, Superintendente de Contadoria Geral da Secretaria da Fazenda do Estado de Minas Gerais

14h00 – Tema: “Experiência internacional na implantação das IPSAS” com Aderbal Hoppe, Diretor Executivo e Julio Braga Pinto, Sócio de Auditoria, ambos da Ernst & Young Terco

14h45 – Tema: “Consolidação das demonstrações contábeis” com Janilson Suzart e Robson Zuccolotto, pesquisadores da FIPECAFI e doutorandos em Controladoria e Contabilidade pela FEA-USP

16h00 – Tema: “Receita por Competência” com Valmor Slomski, Professor da FEA-USP

16h45 – Painel de encerramento: “Visão Prospectiva” com Victor Holanda, Consultor residente do FMI (Fundo Monetário Internacional) e membro do CFC (Conselho Federal de Contabilidade) e Leonardo Silveira do Nascimento, Coordenador-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação da Secretaria do Tesouro Nacional e membro do CFC.

Serviço:
1º Fórum de Contabilidade Pública FIPECAFI

Data: 10 de maio de 2013
Horário: das 08:00 às 18:00
Local: Sede da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo
Avenida Rangel Pestana, nº 300 – próximo da estação Sé do Metrô – Centro – São Paulo (SP)